highlighted:

Publicado em 14 de Outubro de 2019


Original de Jornal Nacional

Dezoito servidores públicos brasileiros - que se destacaram em áreas como educação, saúde, segurança pública e meio ambiente - passaram uma semana em contato com funcionários públicos da capital da Alemanha.

Quem vê o grupo de brasileiros pedalando por Berlim, não imagina o caminho que eles percorreram para chegar até lá. Eles não são conhecidos por fazer os cem metros rasos em tempo recorde, nem pelas habilidades deles em cima de uma bicicleta. Atingiram a notoriedade pelos projetos importantes que desenvolveram.

“O meu projeto é voltado para jovens vivendo com HIV na adesão ao tratamento clínico”, conta Sandra Conceição dos Santos, especialista em pedagogia hospitalar.

“Eu sou um entusiasta da leitura. Em 2017 eu fundei um projeto chamado Leitura na Esquina, que é um projeto de biblioteca itinerante”, diz o professor Glaucio Ramos Gomes.

“Em julho eu fui ameaçada de morte no meu espaço de trabalho pelos enfrentamentos das violações de direitos humanos”, diz a assistente social Neylen Bruggemann Bunn Junckes.

Estes são alguns dos 18 ganhadores do Prêmio Espírito Público 2019, a premiação nacional mais importante voltada para funcionários públicos de todo o país.

“É um prêmio que vem da sociedade para reconhecer o serviço público e o grande papel do prêmio hoje é justamente de chamar a atenção para os grandes exemplos, chamar atenção para as pessoas que dedicam a vida delas ao serviço público e que, normalmente, ficam largadas no desconhecimento”, afirmou Eloy Oliveira, co-organizador do Prêmio Espírito Público.

Eles foram passar uma semana na Hertie School de Berlim, uma das principais escolas de administração pública do mundo. Uma semana para entrar em contato com novas ideias, compartilhar experiências e, claro, se inspirar.

“Eu nunca imaginei que estaria numa imersão internacional na Alemanha. Então, eu acredito que para os demais, também, será uma experiência inédita. Acredito, até, que este é o maior prêmio, não é o valor que será entregue em dinheiro, mas o conhecimento, este intercâmbio, não há valor que pague”, disse Fabiana Silva Machado, pedagoga e especialista em educação de Coruripe, Alagoas.

Viver esta experiência internacional uniu os 18 servidores públicos e promete render frutos. “Para que a gente possa replicar isso em outros momentos. Eu acho que isso é fantástico, foi muito bom. A gente fez amigos, isso aí é importante. A gente tem filosofias de vida muito semelhantes porque, de uma forma ou de outra, estamos todos imbuídos dentro desse grande guarda-chuva que chama espírito público”, afirmou Fabio Gomes de Matos e Souza, professor de psiquiatria da Universidade Federal do Ceará.


content:
sidebar:
afterContent: