Sobre o projeto

A Residência convida artistas para uma imersão em órgãos públicos do Brasil, compartilhando experiências e construindo processos e objetos artísticos em colaboração com os profissionais públicos. Um dos nossos principais objetivos é gerar algum tipo de mudança na vida desses profissionais, estimulando sua criatividade e excelência.

Por quê?

A arte traz reconhecimento, quebra a rotina, desloca o olhar. E a arte pode organizar melhor a nossa relação com o Estado. A RASP é um caminho de duas mãos: o artista investe capital simbólico no setor público e também transforma si mesmo e sua arte ao se relacionar com talentos que trabalham em governos.

Como Funciona?

Por pelo menos 18 meses, dois artistas são convidados para a residência artística em uma instituição pública parceira. Cada um recebe uma verba para cobrir seus custos nesse período e para desenvolver um trabalho final.

Na etapa inicial da residência, o artista realiza uma pesquisa dentro da instituição — se integra com os profissionais públicos e conhece as operações e os projetos em andamento, além de compartilhar um pouco do seu trabalho com os envolvidos no projeto.

É então que o artista elabora, apresenta e executa uma proposta a ser trabalhada durante a residência. Lembrando que devem ser propostas integradoras, encorajando a interação dos profissionais e se envolvendo com os projetos da instituição pública.

Assim, a arte passa a ser o meio para fortalecer as conexões dentro da rede pública e por toda a sociedade.

Resultados

2

Edições

4

Artistas e órgãos públicos

40+

Profissionais públicos envolvidos

Em 2 edições, o projeto conectou quatro artistas com órgãos públicos e mais de 40 profissionais, com a arte como meio para transformar e fortalecer vínculos.

Cartografia elaborada pelo artista Daniel Lima em conjunto com profissionais do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo 2ª Vara Especial da Infância e da Juventude