Em noite de gala, Prêmio Espírito Público 2022 condecora cinco servidores públicos e quatro projetos do Brasil; PEP é a maior premiação de valorização do serviço público no Brasil

Publicado em 02 de dezembro de 2022

De Recife, a professora da UFRPE, Renata Valéria Sousa (à esq.), é premiada por trabalho que alavancou a produção dos apicultores na Zona da Mata e no sertão de Pernambuco. Foto: Meta Filmes.

A noite da última quarta-feira (30/11) foi marcada por emoção e inspiração na entrega dos troféus do Prêmio Espírito Público (PEP), a maior premiação de valorização do serviço público no Brasil. A cerimônia, que reconheceu cinco servidores públicos e quatro projetos, foi realizada na Estação NET Botafogo, no Rio de Janeiro. Ao todo, 27 agentes públicos concorreram ao prêmio nacional.

Depois de dois anos, a condecoração voltou a ser presencial, e diversos momentos tornaram o prêmio memorável, como quando os músicos indígenas Kaê Guajajara e Cristino Wapichana se juntaram para a leitura de um manifesto em defesa da demarcação de terras dos povos originários, do meio ambiente e das florestas.

Os finalistas se dividiram em três categorias: Pessoas que Transformam, Projetos que Transformam e Votação Popular. Uma comissão julgadora, formada por acadêmicos e especialistas em gestão pública, escolheu vencedores nos eixos Desenvolvimento Social, Intersetorial, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Pública, além de indicar três iniciativas para o voto da audiência.

“Vocês estão mudando o país. Esta noite é um reconhecimento disso, um agradecimento a vocês e um convite a todo país a se juntar a nós na celebração das trajetórias tão transformadoras de vocês, que dedicam suas vidas a transformar o Brasil em um país mais justo e mais igualitário”, destacou Helena Wajnman, diretora executiva da República.org. 

Servidores públicos durante anúncio dos vencedores do Prêmio Espírito Público, em cerimônia realizada no Rio de Janeiro (RJ). Foto: Meta Filmes.

PESSOAS QUE TRANSFORMAM

Cinco servidores receberam os prêmios na categoria Pessoas que Transformam. No eixo Desenvolvimento Social, Renata Valéria Sousa, foi premiada por um projeto realizado pela Universidade Federal Rural do Recife (UFRR), em Pernambuco, que tem como foco a promoção da sustentabilidade por meio do cultivo de abelhas na Zona da Mata e no Sertão do estado. 

“A gente acredita numa universidade que promove desenvolvimento econômico e sustentável. Com a apicultura, com um trabalho decente, pessoas estão sendo protagonistas dessa história”, destacou a profissional pública. 

No eixo Intersetorial, Leandro Lira, de Campina Grande (PB), foi condecorado pelo projeto que permitiu expandir a informatização dos cartórios e tribunais de Justiça e trouxe mais agilidade, eficiência e sustentabilidade ao meio jurídico. 

“Num país com 215 milhões de habitantes, onde os serviços públicos são tão essenciais para a população, a gente ser reconhecido como um representante do espírito público é, sim, uma honra gigantesca para qualquer finalista”, ressaltou Leandro. 

O biólogo Felipe Guimarães, de Florianópolis (SC), recebeu o prêmio no eixo Meio Ambiente por desenvolver um curso voltado para fiscais que impactou o combate à exploração ilegal de madeira em todo o Brasil. “Esse prêmio vai para os servidores do Ibama”, dedicou o servidor. 

No eixo Saúde, o médico Joel de Andrade, de Urussanga, venceu por gerir um modelo de doação de órgãos revolucionário que levou o estado de Santa Catarina à liderança nacional em transplantes e já impactou cerca de 20 mil vidas. “Esses profissionais de saúde são os grandes protagonistas: enfermeiros, médicos, psicólogos, assistentes sociais, as pessoas que fazem a história do centro de transplantes e as famílias doadoras. Sem a generosidade de pessoas que, cravadas pela dor, conseguem sublimar em solidariedade, esse trabalho não seria possível”, destacou o servidor. 

Indigenista brasileiro e servidor de carreira da Funai, Bruno Araújo Pereira recebe homenagem póstuma do evento. Foto: Meta Filmes.

Atuando na Secretaria de Administração Penitenciária do estado, Kelly Cristina, do Distrito Federal, ganhou no eixo Segurança Pública por implementar mudanças estruturais que contribuíram para tornar o sistema prisional do Maranhão referência nacional — a exemplo dos Espaços de Vivência Infantil. “Receber esse prêmio é um reconhecimento de toda uma trajetória, mas de um trabalho em conjunto. Pessoas como nós, que transformamos e somos servidores públicos, não temos força sozinhos. A gente precisa de uma gestão que acredite no nosso trabalho”, destacou Kelly. 

Outro momento marcante foi a homenagem ao indigenista Bruno Araújo Pereira, servidor de carreira da Fundação Nacional do Índio (Funai), morto em junho deste ano no Vale do Javari, no Amazonas. Sob forte emoção, a servidora da Funai e amiga de Bruno, Clarisse Jabur, subiu ao palco para representá-lo.

“Eu tenho certeza de que o Bruno dedicaria esse prêmio, primeiramente, a seus filhos Luís, Pedro e Maria e à esposa, Bia. Depois, para todos os povos indígenas do Vale do Javari e também aos povos indígenas do Brasil”, ressaltou Clarisse.  

PROJETOS QUE TRANSFORMAM

Na categoria Projetos que Transformam, três iniciativas levaram o prêmio para suas instituições públicas. O Programa Piauiense de Alfabetização na Idade Certa (PPAIC) ganhou no eixo Educação. Em tempo recorde, o projeto mobilizou todos os 224 municípios do estado pela alfabetização na idade certa. “Essa é a nossa grande motivação: ver as crianças sendo alfabetizadas e transformando a realidade em que elas vivem. Isso é o que nos motiva a cada dia”, afirmou a servidora Jeane da Conceição, representante do PPAIC.

Helena Wajnman Lima (à esq.), diretora executiva da República.org, e o ator Rafael Infante, apresentador do evento em 2022, anunciam os finalistas do eixo Gestão de Pessoas. Foto: Meta Filmes.

No eixo Enfrentamento à Covid-19, o vencedor foi o Painel Interativo de Higiene de Mãos, do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (EBSERH), que contribuiu efetivamente para prevenir doenças e salvar vidas. “Por trás de um grande profissional, de um empregado público, de um servidor público, tem também os seus líderes”, afirmou Ana Cássia Nascimento. 

O vencedor do eixo Gestão de Pessoas foi Outubro Movimente: De Repente a Gente Muda a Mente, um movimento da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão do Mato Grosso que ganhou alta adesão e fomentou uma mudança de paradigma sobre empreendedorismo no setor público. “A gente percebe que o servidor precisa se sentir novamente amado, abraçado e valorizado, porque ele todo dia está se dedicando ao que está fazendo”, ressaltou Angélica Monteiro. 

VOTAÇÃO POPULAR

Na categoria Votação Popular, o ganhador foi o Plano de Educação Antirracista, da Secretaria de Educação de Cachoeira (BA), que desde 2021 promove ações de enfrentamento ao racismo e de promoção da equidade racial. 

Primeira negra a assumir a prefeitura de Cachoeira, cidade do recôncavo baiano, Eliana Gonzaga de Jesus (à dir.) discursa após receber prêmio do PEP. Foto: Meta Filmes.

O prêmio foi entregue por Jairo Marques, editor da Folha de S.Paulo, autor de um belo discurso sobre sua trajetória enquanto beneficiário do serviço público, filho de servidora pública, aluno de escola e universidade públicas, e paciente de reabilitação da poliomielite em hospitais públicos. 

“Lembro a vocês que quanto mais a gente promover a pluralidade das pessoas em todos os lugares mais a nossa própria alma vai ser livre pra poder ser o que ela bem entender”, destacou Jairo. 

“Esse prêmio não é um prêmio individual, esse prêmio foi construído por muitas mãos”, disse a prefeita de Cachoeira, Eliana Gonzaga, que fez questão de chamar os outros dois finalistas ao palco para compartilhar a premiação, em um ato de coletividade e espírito público que empolgou todo auditório.