Espaço contou com biógrafo de João Cabral de Melo Neto, depoimentos de Itamar Vieira Jr. e Paulliny Tort, e mesa dedicada a livro de Francisco Gaetani e Miguel Lago

Publicado em 28 de novembro de 2022

Curadora da Casa República.org na Flip, a jornalista Daniela Pinheiro (à esq.) apresenta ao público Ivan Marques (à dir.), biógrafo de João Cabral de Melo Neto. Foto: Luciana Serra.

No terceiro dia de programação, a Casa República.org na Flip contou com participações marcantes dos autores-servidores Itamar Vieira Junior e Paulliny Tort, além do biógrafo Ivan Marques. Uma plateia calorosa lotou o espaço e interagiu com perguntas, comentários e emoção.

Quatro mesas compuseram o sábado (26), também palco do pré-lançamento do livro de Francisco Gaetani e Miguel Lago sobre a reconstrução do Estado. 

A nova estrela da literatura brasileira, Itamar Vieira Jr., autor de Torto arado, abriu os debates ao lado do jornalista e editor da revista Quatro Cinco Um, Paulo Werneck. Eles discutiram temas como políticas de cotas, reforma agrária e serviço público.

Funcionário do Incra e autor do livro de ficção mais vendido no Brasil em 2021, Itamar Vieira Jr. ressalta, em sua fala, a importância das ações afirmativas no serviço público. Foto: Luciana Serra.

A segunda mesa foi composta por Ivan Marques, professor de Literatura Brasileira da Universidade de São Paulo (USP), e por Paulo Roberto Pires, jornalista e professor da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A dupla abordou a influência do serviço público na obra do poeta João Cabral de Melo Neto, além de curiosidades da vida e da obra do escritor, servidor do Itamaraty por mais de 40 anos.

Em seguida, a escritora Paulliny Tort, profissional pública da EBC na Rádio Nacional da Amazônia e autora de Erva brava, e o jornalista e professor Plínio Fraga falaram sobre literatura e serviço público. Segundo Tort, servidores são, com frequência, alvo de preconceito. “Eu acho triste que se tenha a visão de que o que é público não é legal, que o servidor público é acomodado e está vivendo ali pelas benesses do Estado, sem trabalhar. Existe uma falha nesse entendimento que precisa mudar”, afirmou. 

A servidora pública da EBC, Paulliny Tort (à esq.), recebeu o Prêmio APCA em 2022 pelo livro de contos “Erva brava”. Ela debateu com o jornalista e professor da UFRJ, Plínio Fraga (à dir.). Foto: Luciana Serra.

A quarta mesa, mediada pela economista e conselheira da República.org, Alessandra Orofino, debateu A construção de um Estado para o século XXI, que dá nome ao novo livro do economista Francisco Gaetani (presidente do conselho consultivo da República.org) e o cientista político Miguel Lago.

“O lançamento do livro hoje é uma oportunidade para fazermos um debate sobre essa transição que estamos vivendo hoje e os desafios para a reconstrução do Estado brasileiro. Há áreas que precisam ser reconstruídas, há áreas que têm que ser construídas pela primeira vez, há áreas que nós vamos construir diferente e melhor”, destacou Gaetani. 

Com mediação da economista Alessandra Orofino (no centro da imagem), o também economista Francisco Gaetani (à dir.) e o cientista político Miguel Lago (à esq.) encerraram a programação de sábado com pré-lançamento de livro. Foto: Luciana Serra.

Editada em parceria entre a Cobogó e a República.org, A reconstrução de um Estado para o século XXI é um apanhado de experiências práticas e acadêmicas de Gaetani (ex-presidente da Escola de Administração Pública, a Enap) e das análises de dados sobre políticas públicas de Lago. A obra examina a administração pública e apresenta aos leitores o funcionamento das instituições públicas no Brasil.

“Não existe democracia forte sem um Estado, um governo e uma administração pública diversa, forte e responsiva”, ressaltou Lago.